Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Ponto de Partida - V Emissão

Domingo, 04.03.12

.

Se por feliz acaso tive a sorte de ter algum ouvinte que me escutasse e, se por mais
feliz acaso ainda, esse ouvinte estivesse interessado em entender-me penso que
poderia perguntar: - mas, afinal o que é a Poesia? - Onde está? -tem morada
certa? – o que é ser Poeta ? – o que teria eu para lhe responder ? –

 Umas quadras?

 

Poesia não é gramática,

não requer explicação.

Poesia é sonho da alma,

só a sente o coração.

 

Olhar as aves nos céus

e vê-las  notas de
música

da magistral sinfonia

que foi composta por Deus.

 

Achar que o oiro é palha

que nada vale na vida

e ver a palha como oiro

na campina ressequida,

 

é coisa que não se ensina,

se vive, sente-se somente.

Poeta é como ser mágico

dos sentimentos da gente

 

Ser poeta – como nascer

É tanto obra de Deus

Como é a noite e o dia

Como as estrelas nos céus!

 

Mas, – o que teria adiantado com a resposta? Sei lá!

 -- então de recorrer a Sebastião da Gama,
vá de citar dos seus “apontamentos
sobre poesia social no Séc. XIX as páginas 145, 146, 147.

“Bem se sabe da
poesia que é indefinível que é inapreensível, que é feita da mesma incógnita
matéria dos deuses. Lê-se um poema ou colhe-se um lírio ou sorri-nos uma
criança – e nós sentimos Poesia. Mas colher um lírio, é colher um lírio - é ter
mãos e ter lírios, coisas banalíssimas. Sorrir-nos uma criança, é sorrir-nos
uma criança e podia chorar que não seria isso menos natural.

No entanto… Lemos um poema, bem rimado, bem ritmado, com uma imagística fulgurante e

mais uma porção de predicados poéticos e logo o condenamos ou o exaltamos pela

falta ou pela presença de Poesia. Se nos perguntarem onde ela está, ou por que sinal

vemos que não está, não saberíamos explicar. Então que presença misteriosa é essa,
como se revela, como existe? Por mim furto-me à resposta.

Não venham também perguntar-me com que sentido me é dado apreender a Poesia -

só lhes digo que não é com nenhum dos cinco…

Creio que está decadente o critério que dava como Poesia tudo quanto fosse escrito em verso.

Para aplaudir ou desejar essa decadência não é preciso mais do que fazer o sacrifício de ler as
mil e uma festejadas habilidades métricas que ao longo dos séculos se foram
escrevendo – e que deram, por conta do dito critério, o nome de Poetas a quem
as traçou. Falta aí o tal misterioso quide sem o qual nada feito…

 Isto não quer dizer de modo nenhum que se não
tente exprimir ou captar pelo verso a Poesia. Acho que o verso não é um vaso,
um molde, uma carne em que a Poesia tome forma como geralmente se pensa: é uma
espécie de laço, armado pela manha do Poeta, a ver se a Poesia, incauta, vem ao
chamamento: ou um rito, uma invocação que a faça descer. Esta manha ou este
canto de sereia, ou pela invocação é que tomam formas, não a Poesia. O poeta
não tem à mão senão as palavras; joga com elas de modo a lisonjear a Poesia
naquelas qualidades divinas que lhe pressente.

E como pressente que a poesia é bela e é musical, tenta imprimir beleza e

musicalidade ao barro humano das palavras.

Temos portanto e resumindo que o verso não é ele próprio a Poesia, nem o vaso que a
contem, mas a maneira de captá-la.

 

Se, como diz Sebastião da Gama, o verso é uma
maneira de captar a poesia – o que poderemos nós concluir senão que a poesia
nasce e canta livre?

 

Assim sendo já estou em boa companhia para repetir o que outro dia aqui disse:

Poesia é também uma maneira de estar na vida. A sua talvez, quando aí na rua das
Parreiras, num beco ou na rua das Beatas cria beleza com o asseio e o apuro do
seu poial e das ombreiras caiadas com desvelo.

A sua, que chega a casa com os pés inchados, desfeita por um dia de trabalho que a sua
saúde mal suporta, e, antes de descalçar os sapatos que a crucificam, antes de
se atirar para a sua cadeirinha do costume, ou para cima da cama que, como ela
já sabe de cor o peso do seu cansaço – vai – antes de tudo – antes de si dar
uma sede de água à sempre-flor mais à malva rosa ou ao carrasquinho que pendem
de folhinha murcha (Que o nosso verão é lume!) da parede onde se incrusta a sua
porta!

 

Olhe que ser poeta
– também pode ser isso!

Nunca o pensou?

 

Alguém me alertou outro dia que esta emissão seria, talvez, mais escutada pelas

pessoas de fora da cidade.

Se assim for, serei eu capaz de falar de poesia a quem a vive, a traz dentro de si e,

acha isso tão simples, tão natural que nem de tal se apercebe?

 

No entanto sinto que é isso que terei que fazer!

 

Terei que bater à sua porta.

Terei que me sentar à roda do seu lume na grande chaminé da cozinha.

Terei que a ver lidar na casa, com gestos seguros, como quem cumpre ritos

duma milenária religião!...

Terei que comer castanhas ou bolotas assadas na cinza quente incrustada de brazinhas miúdas...

Terei que beber do seu café gostoso que está sempre pronto ao rés do lume na cafeteira de barro
coroado pelo testo...

Seu marido se entrar puxará da navalha luzidia para fazer piogas com meias bolotas e paus de
fósforo para as crianças que houver (como já a seu pai e seu Avô vira fazer) e
ficarão rindo a faze-las dançar sobre a mesa da cozinha... Mas ficará ouvindo o
que se diz embora finja desinteresse...

Se lhe perguntassem como é – diria apenas: “conversas de mulheres!”

Eu provarei se for altura disso – das suas tenras broinhas, ou biscoitos

perfumados de erva-doce... Sentir dentro de
mim que você faz tudo isso naturalmente com simplicidade e amor – poeticamente
e, no entanto se eu lho dissesse – você riria... E, eu não digo. Penso e calo.

 

Perguntarei apenas fixando-me nas coisas práticas: como é a receita das broinhas?

ou dos biscoitos e ... Ouvirei da sua segurança sábia a resposta:

Tanto de açúcar

Tanto de ovos

Tanto de banha

Tanto de farinha, de leite, de fermento.

A erva-doce é a gosto!

Rematará sentenciosa.

 

Perfume a gosto pensarei eu – mas calo!

Que achei no pormenor uma certa poesia!

 

Você disse tudo de cor – porque até – se calhar – nem sabe ler! Mas.

Irá falar-me do caderno antigo que vai buscar para eu ver – e era de sua mãe ou mais antigo
ainda... – o caderno de papel grosso e áspero onde alguém apontou todas as
receitas que você sabe de cor... Desde a massa das azevias ao recheio – aos
nógados... enxovalhadas... biscoitos... queijadas...

 

Irá buscar o caderno que dormiu anos a fio por inútil na cimalha da chaminé bem ao
cantinho onde uma goteira à traição o ensopou e fez dele o borrão ilegível –
duplamente inútil – porque você não o leu e ninguém mais o lerá – e ambas o
olharemos consternadas...

 

Então uma confusa sensação a comandará sem que nada a contenha e você dirá: guardo-o na
mesma! – Sim cum’assim nunca o li – mas tenho-o desde mocinha!... Era da minha
mãe!... – E guardará o caderno soltando o fundo suspiro que entretanto lhe
sufocará o peito!

E, repetirá evocando:

Desde mocinha!

E ficará a recordar...

 

Se entretanto eu a interrompesse dizendo:-“Que Poesia! Na sua saudade!”

O seu rosto iria animar-se com um arzinho de troça e você responderia sincera e veemente:

Poesia?! – nã Senhora !

Mas... Eu não a acordo – não! – Embarco no seu suspiro e digo baixinho:

 

 

 

(Balada da infância)

           

Ai, mundo da infância,

como cabes neste mundo?

Ai promessas,

desejos que é bom não cumprir!

Ai anseios vagos de raro sabor...

Como a vida a cumprir-vos

Vos rouba o valor!...

 

…Eu lembro-me ainda!

E como esquecer o mundo das gavetas,

Proibido mexer!

As malas da Avozinha e das Tias,

Que só elas abriam …e em certos dias!...

 

Ai, encantos meus!

Retalhos de seus encantos…

Que punham cobiça em meus olhos

E nos seus névoas de pranto!...

Bocadinhos de tecidos,

Recordações de bordados

De vestidos e arrebiques

De bodas e baptizados!...

Ai, tremuras dessas mãos

Tão velhinhas e tão queridas!...

Ao abrirem as caixinhas,

Onde dormiam as chaves ,

Dos caixões das falecidas!...

 

Ai, poemas de saudade,

Em palavras tão singelas!...

 

-- “Vês isto aqui minha filha?

“Este caracol tão loirinho?

Era de teu tio-avô, meu irmão,

O que está neste retrato…

Morreu muito pequenino,..

Coitadinho!..

Coitadinho!...

 

(Dizia a avó bondosa
repor o medalhão,

entre as dobras de algum fato)

Grande mundo das caixinhas,

Sempre fechadas!...

 

Algumas que se abriam a meu pedido

Tinham missangas, continhas,

Flores secas e plumas,

Restos de sonhos vividos

Que tinham sempre uma história,

Que eu escutava toda ouvidos!

 

- “Isto aqui...  

 

(Quanta saudade

Havia em seu recordar!...)

“ – É um pouco de cambraia

“ Que sobrou das camisinhas

“Do enxoval do teu Pai,

“E foram feitas da saia

“Do vestido que eu levei

“Na primeira Comunhão!

“ Recordo tanto esse dia!...

“Quando voltamos para casa,

“ Vinha eu entre os meus pais

“ E a ambos dava a mão!

 

-- E esta fita tão linda?

 

-- Não lhe toques, deixa estar!

 

(E uma nova emoção assomava ao seu
olhar!...)

 

–“ Foi a última que usou

“Antes de ir para noviça

“A minha amiga de infância,

“Minha prima, a Clarinha,

“Que chegou a ser superiora

“ No convento onde morreu

“E do qual era padroeira

“ A Virgem nossa Senhora!

 

-- E isto aqui, o que tem?

 

(Logo a avó com carinho,

Desmanchava para eu ver

Um embrulho feito em linho

não fosse a traça comê-lo.)

 

--“ É a trança do seu cabelo!...

-- Vês querida, como era belo?!...

…………………………………….

E enquanto febril extasiada,

Eu me quedava a sonhar…

A avó fechava a mala,

Com religioso carinho;

E ás vezes, no outro dia,

Inda no ar se sentia

Um cheiro muito suave

De alfazema e rosmaninho!...

 

Foi essa mala tesoiro,

Foram caixas e retalhos,

Foram pontinhas de rendas,

Foram retratos e prendas

Dos noivos das minhas Tias,

(De minhas Tias solteiras,)

Foram leques, pedrarias,

Restos de sonhos sonhados,

Que a morte fez em bocados,

Que geraram, bem o sei,

Os primeiros sonhos que tive,

Os mais lindos que sonhei.!...

 …………………………….

 

Minha avozinha morreu…

Não mais mexe em suas malas,

Agora… mexo-lhes eu!...

                

                    Maria José Rijo                                             

 [MªJosé-19anos.jpg]

 

 

Penso que você, assim, saberá que os
seus suspiros de saudade, como as flores da sua porta podem ser sentidos como
versos dum poema como mensagem de beleza de um coração para outros corações.

 

 

    Maria José Rijo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:12


3 comentários

De Xavier Martins a 05.03.2012 às 10:58

D. Maria José

Esta sua balada da Infancia é uma maravilha, do
principio ao fim.
Esta emissão ouvi eu e tinha uma ideia do poema
que me tinha encantado.
PARABENS e estou-lhe gratissimo por o por on line.
As coisas de que gostamos - ou que nos disseram
alguma coisa - nunca se esquecem - como
aconteceu com este programa.

Parabens e boa continuação.
Com amizade e admiração

Xavier MArtins

De GUS a 05.03.2012 às 11:05

Minha tão querida TIA
Esta emissão é excelente - foi e é - um belissimo
programa e esta sua Balada da Infância é um
coisinha LINDA - porque conta uma história de si
do que via e ouvia e depois acompanhada pelas
suas fotos de criança - dá mesmo para imaginar
o seu rosto a ouvir e a ver tamanhas maravilhas.
Fiquei deveras encantado de o ver entre este
magnifico programa.
Pena o meu amigo padre já não estar entre nós
para poder apreciar e deliciar-se com a sua
poesia.
Este Ponto de Partida é um belo programa - com
belissimas escolhas.
O nosso amigo xavier Martins e o luciano tiveram
o prazer de o ouvir pela radio eu não - mas
sinto o clamor da alegria de quem escutava,
o prazer de a ouvir falar ... tantos anos depois
continua a ser Um BOM programa sem sombra
de dúvidas.

Um grande beijinho minha Tia
GUS

De Flor do Cardo a 05.03.2012 às 21:48

Oh minha amiga Maria José
Finalmente a sua Balada da infância...
Adoro isto - a minha mulher sabia-a toda de cor
e recitava-a desejando ter sido ela a escreve-la -
dizia muitas vezes e acrescentava - mas Maria josé
rijo só existe uma e é uma Grande Poeetisa.
O que eu concordo aliás sempre concordei co ela.

Parabens amiga.

Ah queria contar-lhe que o Gilinho comprou um
balão de ar quente para passear os nossos
amigos que não queriam morrer sem andar de
balaão - aliás nem eu... este fim de semana vai
ser uma fesrança - vai até matar um boi para a
petiscada. É só rir.

E a Maria José como está?
A sua saudinha vai bem?? Olhe eu desde que
coloquei o telefone de parte vamos andando
bem Graças a Deus.
E as sua Olaias já estão em flor??
Eu depois quero ver essas primaveras para
matar as saudades.
Um abraço
Luciano

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...

  • Anónimo

    Titia queridaQue alugria nesse seu aniversário.Des...

  • Anónimo

    Minha querida Amiga93 anos - uma data muito import...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos