Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



“O Pancho”

Sábado, 25.08.07

I

Há meses, perdi-lhe o conto

                              Já estou em crer que é enguiço

                                Que procuro e não encontro

                                  “O Pancho” – levou sumiço?

 

II

De amigos não tinha míngua

                                 Destemido – o raio do gato!

                                   Bicho sem papas na língua

                                        Vivia com o Falcato

                                                   

 

III

Ou fosse de Borba o vinho

                                    Ou sortilégios de Baco

                                    Nada calava o Bichinho

                                 Nem tricas, nem desacatos

 

IV

Gato sábio, sabidão

                                  Prudente, manso, matreiro

                                      Ronronando ao coração

Conquistou-nos por inteiro

V

E, agora, desaparece

Pr’aí assim, de Rondão!

Se na Câmara não se conhece

Onde está o “gato” então?

 

VI

Em Marte, não foi falado

Que a nave seguiu vazia

Tanto tempo silenciado

Dava p’ra essa ousadia.

 

 

VII

Ninguém o viu no “Cantigas”

No “Boletim” nem retrato

Vamos lá deixar de intrigas

E saber onde anda o gato.

 

 

VIII

Se o Pancho não está na Europa

Nem em qualquer Sindicato

Se o gato não foi p’ra tropa

Faz favor cacem o gato!

 

 

IX

Por lebre, não se comia

Não era tonto p’ra tal

Vai junto a fotografia

Que ele é assim: - tal e qual

X

É tu cá – com o Soares
Tu lá – com o Almeida Santos
Por “partidos” não bebe ares
Não se verga a “tais” encantos

 

XI

Com Veiga Simão na Cultura

Foi chefe de gabinete

Consta, até que na altura

Fez um belo brilharete.

 

XII

“Ab imo corde” – com Zenha

Outro P.S. afamado

Que em alistá-lo se empenha

Mas, sem qualquer resultado.

 

XIII

Sabe-se que o gato “é verde”

Que torce pelos leões

Roe as unhas, quando perde

Mas... mantém as ilusões

XIV

Penso pois, chegada a hora

De bater aqui o pé:

-          Volte o Pancho sem demora

Porque o gato já não o é

 

XV

Nem o gato do Falcato

Ou d’outra qualquer criatura

O Pancho é – sem desacato:

Figura de literatura

 

XVI

Que volte lesto e em festa

Volte – que é desejado

Senão! – a S.I.C – nos resta

“Ponto de Encontro” marcado

 

XVII

Que venha de “Baleeira”

Naufrago em “Fogo do Mar”

Que o Pancho queira, ou não queira

Ao “Linhas” tem que voltar.

 

 

Maria José Rijo

@@@

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.413 – 1 /9 Set. /97

@@

Fotos - http://olhares-meus.blogspot.com/

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 18:37


3 comentários

De Dolores a 26.08.2007 às 00:30

Cá estou eu...
Que bom... Novo texto- ou antes - texto em verso -
está muito bonito.

Andei a investigar sobre este Dr. João Falcato e encontrei pouca coisa - mas havia um texto seu e posso dizer que é bem completo.
Dr. Falcato era um escritor fabuloso, um homem bonito e estes olhos azuis na foto fizeram-me lembrar o meu tio Marcos.
Esses livros que o Dr. Falcato escreveu ainda estão à venda?
Agora fiquei curiosa.
... Cada post é um pedaço do arco-iris - e um sorriso de surpresa para mim.
Muitos parabéns, do fundo do meu coração.
Renovo os meus agradecimentos e agora vou para a caminha satisfeita.
Beijinhos amiga

Dolores
... e bom domingo!

De Flosinha a 26.08.2007 às 00:48

Boa Noite
Venho convidá-la a visitar o meu blog http://flosinha.blogs.sapo.pt/, porque tenho lá um docinho para si (nomeação para a Corrente da Amizade), espero que aceite.
Bom Domingo
Flosinha

De Lucas Marquês a 26.08.2007 às 19:20

Passei para fazer uma visista e deparei-me com este posto.
Gostei imenso porque não é um texto compacto - são quadras e de bom gosto.
Não conheço este Sr. Dr. João Falcato - mas pelo que percebi é um escritor de livros editados. A Baleeira e o fogo do Mar.
Gosteria imeno de os ter. Vou tentar encontrar, tenho amigos na área...
Grato pela boa leitura que tiro dos seus posts.
Muitas Felicidades

Marquês

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2007

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.