Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Visita

Quarta-feira, 12.09.07

Há uma peça de teatro - célebre, até -“A Visita da Velha Senhora”, (da autoria de um contemporâneo nosso,( o escritor e dramaturgo  suíço de língua alemã  Friddrich Durrenmatt, nascido em1921 – acabo de consultar a enciclopédia para ter a certeza do que escrevo), cujo título me vinha mesmo a calhar para esta circunstância.

Decidi, contudo quedar-me pela sua metade, não vá ser acusada de plágio!...

As visitas, como dizem os brasileiros, servem para deitar conversa fora. Pois então vem mesmo a propósito contar uma engraçada história que me aconteceu em 1996 quando entre eles, passei uma temporada.

A minha “base” era perto de Resende numa Quinta na Serrinha do Alambari, situada, entre Penedo e Visconde de Mauá.

Era uma bonita propriedade atravessada por dois rios, o Santo António e o Pirapitinga, onde a natureza parecia fazer gala na sua extraordinária e pujante beleza.

O proprietário fazia oitenta anos, nessa época e, o churrasco, bem ao uso local, foi um pretexto para juntar familiares e amigos vindos de vários Estados.

Entre eles, apareceu um senhor de muita idade, (beirava os noventa, disseram-me depois) feioso, mas com charme, muito bem trajado, muito culto e bem educado, com um narigão de retrato antigo, bengala de castão de prata e todos os requisitos para compor um personagem do cavalheiro distinto, em qualquer filme de velhas gerações. Tinha estado no governo como ministro de Getúlio. Era um cavaqueador emérito.

Deu-me no goto a figura e, como hospedes do mesmo anfitrião, tivemos oportunidade de conversar horas a fio. Ele enviuvara duma senhora espanhola de quem falava quase compulsivamente, e contava dela, chistes cheios de fino humor

que misturava com histórias de costumes do Brasil e piadas políticas, que eu escutava encantada.

Na despedida, confessou que me achara - o modelo vivo da fidalguia portuguesa - o que, por inesperado, me deixou bem divertida.

Agradeci, como era obvio e, foi então, que o velho Senhor que era de tão pequena estatura que me daria pelo ombro empertigando-se completou o piropo com esta confissão :

Um cavalheiro, pode perder tudo, até a virilidade, mas nunca perde o bom gosto!

Ora, neste momento, só posso inspirar-me nesta lembrança para afirmar “nesta visita:” -  uma pessoa, que se presa, pode perder tudo, menos a sua boa educação.

Essa, se a traz do berço, leva-a até ao fim da vida.

Eis pois, porque “Os meus queridos pescadores” que usam “O Despertador” para me tentarem com o  “engodo bem fixo no anzol da tentação”, não podem, nem devem, deixar de receber o meu  muito, muito obrigada pelo estimulo que, de tanto apreço, me chega.

Porém, para além de esporádicas visitas, nada mais lhes posso prometer, porque, tendo “morada fixa” há muitos anos, e não tendo já a capacidade que com o tempo se vai esvaindo, não posso assumir, senão, aquilo que penso poder ainda cumprir.

Isso não quer dizer, porém, que no meu coração não fique gravado o sinal do vosso apreço, como sempre vão ficando as mais doces recordações que a vida nos oferece ...

  

                                                 Maria   José Rijo

@@@

Jornal o Despertador

Nº 180 de 1 de Fevereiro de 2006

A Visita

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:23


3 comentários

De Dolores a 12.09.2007 às 16:13

Ola
Hoje vim mais cedo para ler este texto tão simpático.
A Senhora tem mesmo de ser um ser especial, a Dina tem mesmo muita razão, e ela conhece-a.

Logo venho ver se tem mais um textinho, queria outro... para ler ao deitar...
Beijinhos
ate logo

DO LO RES

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30


comentários recentes

  • Anónimo

    ADOROAdoroooooooooooooMeu Deus Tia gosto imenso de...

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.