Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O meu compadre

Terça-feira, 31.03.09

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.880 – 20 de Março de 1987

  

Enquanto nos levava para a escola, na carrinha que uma velha e pachorrenta mula puxava, o compadre Miguel contava histórias, ensinava coisas ou cantava.

Era sua estratégia para nos manter, a minha irmã e a mim, sentadas e quietas.

Ás vezes, com tempo bom, parava, prendia a “besta” na beira da “estrada nova” e fazia a sua provisão de vegetais.

Foi assim que aprendi a identificar as ervas comestíveis e outras destinadas a mezinhas.

Tengarrinhas, [Acelga]acelgas, funcho, cardo para coalhar o queijo, tornaram-se familiares. Ervas apreciadas por coelhos também ainda as distingo … pimpoilas” poucas!... que os faz “enchar”, recomendava.

A pimpinela, para os problemas intestinais, também era muito procurada para acautelar “andaços” de verão com excessos de frutas.

Abrótea Gamão ou Abrótea (Asphodelus sp.) por Valter Jacinto | Portugal.para as “empinges”, menta para a dor de dentes, rilha-boi para pincelar com azeite virgem nas queimaduras, macela para os “fastios” e fel-da-terra para as “fevres” faziam parte do rol. Aprendi onde nasce e cresce o “poejo”, a merugem” e o mantrasto” e os terrenos onde rebentam os orégãos, colhi agriões em riachos e aprendi como é perigosa a flor de cicuta por Coloraudia.cicuta e enganosa a dedaleira de onde se extrai (sei agora) a digitalina e me encantava com as suas flores cor de rosa em forma de dedais.

Enfim! Coisas de aldeia, onde a natureza nos cercava vibrante e imperiosa.

Por lá os caracóis, além de petisco, eram sustento.

              Dorminhoca da Quinta dos Ouriços

Por lá onde os ouriços guinchavam de agonia a morrer queimados vivos, nos lumes que brilhavam à porta das tabernas, nas ruas sem luz, enquanto os homens aguardando o pitéu, bebiam vinho e cuspiam para o chão entre galhofas e dichotes boçais.

Daí trago o horror à violência, à injustiça social e à brutalidade que via eclodir da ignorância.

Mas, eu falava do meu compadre Miguel que tinha uma navalha que brilhava mais do que a lâmpada de Aladino.

Era uma navalha que saía fechada do bolso, que abria com um estalido seco e, que, de seguida era afiada no couro das botas cambadas que ele arrastava nos pés.

                              B. Alentejo

Sempre. Sempre isto antes de cortar o pão e raspar o toucinho que depois lenta, muito lentamente, seriam cortadas em pequenos nacos e mastigados com delícia.

Ainda hoje penso que aquela navalha que sabia fazer “pipas”, moinhos de cana souça, vergastas e outras coisas mágicas… que cortava o “toicinho” e a “lenguriça”… afiada na bota suja e limpa da calça puída de cotim… dava a tudo um toque especial.

Depois das refeições voltava a navalha aos mistérios do bolso de onde também surgiam cordéis, pregos e outras maravilhas que tais.

Como sobremesa, bebia o compadre mais uma golada da garrafa de vinho que sempre o acompanhava dentro do alforge e lá íamos na carrinha rumo a casa, com a noite a avizinhar-se e o compadre a espantar o silêncio da estrada deserta cantando a “sua versão” do Hino Nacional:

 

“Nação valente e mortal”

“Entre as brumbas da mimória”

“O Pátria senta-se à voz”

“ dos teus engréjos avozes”

Etc… etc…

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:09

Rezas e Benzeduras XIV

Quarta-feira, 07.11.07

A Loja do senhor Camacho

                                (( Desenhos de Manuel Jesus))

           A loja fazia esquina com a estrada nova (assim era designada a estrada nacional) e uma ruela mal calcetada como, alias, eram todas as ruas das aldeias do Baixo Alentejo há 50 anos.

        Havia na aldeia uma certa profusão de “vendas”, mas, loja, loja, digna desse nome só mesmo aquela o que conferia ao seu proprietário e família um estatuto de pessoas importantes.

        Não que tivesse montra ou qualquer sinal de beleza; apenas uma tabuleta esmaltada com o símbolo dos C.T.T, assinalava funções diferentes. Nas ”vendas” para além de algumas bugigangas o que mais se procurava era vinho, enquanto que na loja havia meadas de linhas para dobar e fazer meias, riscados, cotins, serrubecas, pano cru, chitas, flanelas, estamenha, xailes, lenços, – que, crepe da China e popelines, só por encomenda. Como sinal de civilização vendia jornais, – o Século, e o Notícias mas, apenas dois ou três exemplares (que ler era um luxo) e selos de correio, mas também, feijão, grão, e muitas outras coisas mais... cordas, ratoeiras, armadilhas para pássaros, chocalhos para o gado, etc. etc. etc...

        Até na forma de vestir o senhor Camacho era diferente.

        Jamais alguém se poderia gabar de o ver por detrás do balcão da sua loja sem estar de casaco, colete, gravata e camisa de colarinho engomado.

        Às vezes usava guarda - pó, mas, mesmo esse “bibe” de riscado cinzento listadinho de preto lhe conferia um ar de dignidade que ia a matar com o seu rosto sério, o seu bigode muito bem aparado e a sua barba muito escanhoada. O senhor Camacho era um dos grandes da aldeia; como era o ferrador (investido também na dignidade de regedor) e o dono da moagem. A estes distinguia-os o facto de não serem analfabetos porque os outros homens importantes eram os lavradores e, a esses, como aos fidalgos no exército, nada mais lhe era requerido. Do que ser rico ou ser fidalgo.      

Nos dias de receber a jorna ou, quando acabavam as “adiafas” o movimento da loja crescia de forma inopinada, não tinha nada que ver com a ronceirice do dia a dia. Então, a dona Aninhas, sua recatada esposa, abria a porta de ligação entre a casa e a loja dirigia um cumprimento a todos em geral, instalava-se à secretária, pegava no livro dos assentos e ia dando baixa nas listas do: - ” aponte aí, tenha lá paciência, qu’ê cá levo fiado mas, pago assim quê possa!”que enchiam o livro comprido e estreito, de capa preta, que guardava o registo da penúria daquela pobre gente que, tal como as searas, dependiam do tempo a favor para crescer, também dependiam do tempo para trabalhar e ter que comer.

            Dona Aninhas era mouca, e tal como o marido, sem ser velha, também não se diria que fosse jovem, tinha um tom de voz velado, um arzinho nostálgico de funda tristeza (sofria de enxaquecas, males, que o povo não entendia, nem podia entender, já que tinha boa mesa o ano inteiro e criada ao seu serviço que, aliás viera junto com o bragal de casa de seus pais); assim que todas as conversas com ela começavam invariavelmente pela delicada informação das melhoras da senhora que curvando-se um pouco para o interessado amavelmente lhe estendia a corneta acústica para receber a resposta. As comunicações não passavam mesmo disso, já que com aquela minúscula

Campânula de gramofone de permeio o constrangimento entre credor e devedor sofria mais esse atrito.

            Dona Aninhas dizia: - uma quarta de toucinho, dois côvados de cotim, uma onça de linha roxa, tantos arrateis de açúcar...etc. etc. etc...

            A freguesa conferia as parcelas enumeradas pelo monte de papelinhos que trazia fechados na mão, então, molhado o aparo no tinteiro de tinta vermelha, com uma cruz por cima do apontamento se amortalhava o débito.

            Algumas vezes, porém, o rame, rame, desta contabilidade era cortado; bastava começarem-se a ouvir ao longe as guiseiras do macho da carrinha do correio. Então como formigas num formigueiro esventrado, atabalhoadamente, quase em atropelo a loja enchia-se de gente espectante de curiosidade.

            Aberta a mala da correspondência começava a distribuição.

        Numa voz clara o senhor Camacho lia os nomes. Mãos ávidas recebiam cartas e

 postais. E, afastavam-se quase tão rapidamente como tinham surgido. Discretamente, pelos cantos, iam apenas ficando aqueles que não sabendo ler e não tendo em casa quem lho fizesse dependiam de dona Aninhas ou do senhor Camacho para a decifração das mensagens.

            Para Mariquinhas, a filha do casal, era essa a hora mágica do deslumbramento! - e  quando seu pai começava aquelas leituras, apertava ainda mais ao peito a sua boneca francesa com cara de porcelana, e ficava imóvel como que petrificada com os olhitos estrábicos emoldurados pelos enormes óculos  redondos fixando a cena sem pestanejar ... 

                                       “ Mana Zefa

             A tal mulheri que tinha o livro de S. Supriano já nã mora no monte do olivali.

             Contou-me a nora dela, a Ludres, você alembra-se? era aquela qu’era falada com o managero; qu’o patrão assim que esconfiou qu’ela fazia aquelas bruxices e détava as cartas e esputava alfinetes nos sapos p’ra fazer mal ás criaturas, pos‘i-a no olho da rua.                                                                              

              A modos que se voceia queri chegari ás falas com ela, peça à Marianita do correio qu’a traga na carrinha qu’ela agora ‘stá morando p’rós lados da Mina na casa do neto aquele que le chamam o Chico Torto.

              Se voceia quer tirar as provas já sabe. Mas ouvi dezer que comeri um ovo de cigonha frito bubido com vinho forvido com funcho faz desenmaginar da bubida e p´ra mais reze-le a reza que le mando por mor de le sair o diabo do corpo e do esprito-cruzes ,cruzes, cruzes !... De resto faça-le a cruz de sali pro baxo do cólchão e vai a ver qu ‘ele s’emenda, dexa as buboderas e dexa de le dar porrada. A gente est’ano tem uma bela lera de pupinos e uma grande novidade de molões.

          Se voceia vieri leva p’ra si e p’rós mocinhos.

          Atão já sabi. O pessoal daqui manda-le visitas         

          Sua ermã

                         Donzelica

           

            Atão a reza é assim : Oração para afastar o diabo - Olhe, foi a Custoidinha do Posto da ‘scola qu’a tirou p’ra ela do livro de S. Supriano e agora deu-ma a mim p’ra ê l’a dari a si .É boa criatura sempre dá uma mão òs pobres”

                                               Eu me entrego a Jesus

                                              e à Santíssima Cruz,

                                               ao Santíssimo Sacramento,

 

ás três relíquias que tem dentro,

ás três missas de Natal,

                                               que me não aconteça nenhum mal.

                                               Maria Santíssima seja sempre

 

                                               comigo, o anjo da minha guarda

                                               me guarde e me livre

                                               das astucias de Satanás.

                                              

                                               Pai Nosso

                                               Ave Maria

 

                                          

 

                                                                       Maria José Rijo                  

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.446 – 27-Março-1998

@@@

Este livro de Rezas e Benzeduras pode ser

adquirido no Jornal Linhas de Elvas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:41

Rezas e benzeduras XII

Sexta-feira, 02.11.07

Entro na sala de espera do Hospital da Vila e, depois de cumprimentar, sento-me entre gentes da terra e enovelo-me no meu abafo semicerrando os olhos, como se dormitasse, para que pudesse recomeçar o falatório, que, pressinto, cessara com a minha aparição.

                              ( desenhos de Manuel Jesus)

Ainda não aquecera lugar, quando um velhote, no outro canto, comentou, julgando falar baixo:

- A que fede?

- A água de chêro --  respondeu-lhe a mulher.

- Empesturices! - Resmungou ele.

- Cala-te qu’a criatura ouve; julgas qu’é tudo mouco com’a ti?

-- Tá bem, dêxa! - Tornou ele a rezingar, voltando-se de costas para a companheira, em jeito de amúo.

 (O mulherio presente ria à sucapa com gozo matreiro, olhando-me) Nem pestanejei com receio de denunciar o meu deleite pela cena, e assim, a breve trecho, a conversa retomou o fio.)

-......atão foi memo na tu rua e tu nã deste por nada?

-Nã di! - Nã di! - Nã bradaram por nenguém, nem ouvi falas, ó chôros de rijo...

-Ê cá ouvi os dobres, mas pensi que fosse a asilada que está p’ra acabar desde transantontem

.           Transantontem? --Ò tempo que o doutor a despediu!

           - Mandem apregoar a pobre! Queres veri qu’ a mulher comeu carne de grou sem saberi?

           -Xi! S`é parva!

           - Parva a quêi? - Tem havido casos... é só o pregoêro, ir à meia-noite, bradar a três esquinas:

            “Senhor fulano de tal

            Deus o quera perdoari

           Quer passari e nã passou

            Porque comeu carne de grou!”

e a criatura assocega logo!    

          --  Então a que já comentara: xi s’é parva! - Disse risonha:

          -- Olha, como o pregoêro já morreu, apregoa-a tu, já que nem pranteaste a tu vizinha Parreirinha.

         --Vái mangar pr’a uma parte qu ‘ê cá sei - respondeu a interpelada, que acrescentou :

           - Estas, em pondem as moças no “circulo”, até parece que tamém têm letras - sabem de tudo !

          - Nã di por isso ! - Nã di, atão!

            Nã se vá sem resposta, - atalhou outra, - que quando morreu o mê tio, agente morava nos baxos e a nha tia, pr’a nã acordar nenguém, andou descalça a vesti-lo e amortalhá-lo e só de manhã é que deu a saberi à genti.

            O quêi?... - Interferiu a que galhofara do pregão - atão morre-le o homem e ela fica-se só com o defunto sem abrir olho nem buraco ?

            Atão! É mulher de corage!

            Corage? - Pergunta-le lá, se ela já tinha algum “amigo” escondido debaxo da cama, e nã queria qu’ o vissem fugiri!

           Cada um, éi, como éi! Replica a “sobrinha” agastada, mas, logo o velho a tossir, sacudido de riso, diz bem alto:

           - Raio de mulheri qu’é mesmo desbocada!

            E, depois já mais calmo e ainda risonho acrescentou:

           - Essa mulheri, essa tal Parreirinha – tive cá pensando – era da minha edade

            Tinha os seus oitenta e quatro – ainda balhi com ela quando eramos moços

            -Alarvêrão! - Já nem ata as botas, mas dos balhos alembra-se...

            (Não resisti. Ri, como toda a gente, tanto mais que o velho com os seus olhinhos escuros brilhando de malícia levantou a mão simulando ameaça e disse jovial:

            -Queres uma orelhada? Queris?

             -Alarverão! - Repetiu a mulher confusa sorrindo e corando com um pudor antigo de rapariga.

             -Ela morreu soltêra? - Insistiu curiosa a folgazona.

             -Pois! - Assentiu o velho que explicou: - Nunca di que namorasse.

            - Mas ela nã teve fora lá pr’o Barrero, ó pr’o Lavradio, a coidar duma madrinha que lhe dexou as casas!

             -Teve, teve! Concordaram todos

             -Atão pode ser que tenha namorado por lá! - –Confortou-se esperançada a brincalhona  muito séria desta vez.

              Depois, levantou-se, foi abanar a amiga que persistia calada no seu ar ofendido; e disse-lhe com bondade:

             -Desenchofra-te mulheri! Qu’ê fali de reinação! - E sem mais palavras foi encostar-se à janela que abriu de par em par e ficou a olhar para fora, pensativamente.

             O ar dos campos inundou o ambiente.

             Então o velho respirando fundo, disse com prazer:

             Chêra bem! Chêra a terra acabada de lavrari!...  

                                                              

 

                                            Maria José Rijo

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.443 – 6-Março-1998

@@@

Este livro foi publicado em Novembro de 2000

Para conseguir adquirir um exemplar tem de

contactar o Jornal linhas de Elvas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 17:23





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.