Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Postal nº 7 - Colecção de Gastronomia - Ameixas

Domingo, 13.01.08

Voltam ao suplício do fogo no outro dia de molho na calda

Doce, que a água de as cozer não se utiliza, deita-se fora.

Fervem alguns minutos, após o que se retiram de novo para o

alguidar onde aguardam que a calda tome um pouco mais de 

ponto, para  depois as cobrir e nela ficarem mergulhadas.

 

                                    Maria José Rijo

@@@@@@@

Colecção de Gastronomia - Ameixas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 12:09

À Laia de resposta

Sexta-feira, 09.11.07

Olá a todos!

 

Aqui estou para tentar responder às perguntas que me têm sido dirigidas, e que, me envergonho ter deixado, até agora, sem resposta.

Sei que entenderão que a minha dificuldade se insere na inabilidade com que uso a Internet. A minha cabeça está arrumada como as dispensas antigas, cheias de caixas e caixinhas rotuladas e arquivadas em prateleiras, onde, mais ou menos, com o tempo e paciência descubro o que procuro, e, onde por vezes fico horas a remexer até naquilo de que me esquecera e de súbito se me apresenta.

Pois bem a Internet não me permite esses tempos compassados, intromete-se, dá-me respostas a perguntas que não fiz! – Pestaneja, isto é: apaga-se-me no écran! – Desaparece-me, em suma confunde-me e, embora a admire, confesso que me atrapalha. Temo-a. Está fora do meu ritmo, do compasso do meu tempo.

Daí que só me abalance a “visitá-la”, mas não – a “usa-la” – sem a presença da Paulinha, o que, só acontece, com a frequência possível a quem, como ela, tem responsabilidades profissionais, de família, etc,etc …

Assim, que hoje, usando a sua disponibilidade, possa eu satisfazer a vossa – tão honrosa curiosidade e interesse pelo que me respeita.

 

Começo então:

Nasci em Moura há 81 anos.

                                                   ((  com 10 anos )) 

Fiz instrução primária na aldeia de Santa Victória e, o liceu em Beja e casei na Vila de Cuba, na bela Igreja de São Vicente, há 60 anos.

Tive a dolorosa e inesquecível experiência de ser uma das quatro ou cinco crianças que bem alimentadas, bem vestidas e calçadas faziam parte do grupo das trinta ou mais, que descalças e mal agasalhadas foram minhas companheiras de infância, e me ensinaram com a sua humildade o amor e o respeito pelas migalhas que tantos desprezam, e, nas suas vidas eram o essencial.

Desse tempo, guardei as rezas e benzeduras. Manifestações de simplicidade e pureza expressas em crendices, é certo! – Mas carregadas de humanismo e fé na Vida, que bem madrasta lhes era.

Do liceu, a aprendizagem de alinhar à esquerda, como qualquer zero sem valor, perdidas as prerrogativas vividas embora, sem nítida consciência, na escola.

Ao longo de toda a vida a procura de mim como gente igual a toda a gente entre acertos e desacertos mas, sempre, como disse Lutero, sentindo que, “ainda que o mundo termine amanhã deverei plantar hoje as minhas macieiras…”

                       (( a receber um prémio de Poesia nuns Jogos Florais))

Aos 22 anos estive 40 dias internada numa maternidade, de onde saí jovem, como era, mas adulta, como se houvessem sido anos os dias contados.

E, a partir daí o recurso aos meus amores de infância, a escrita, a pintura, o artesanato.

Resumindo: O trajecto perfeito de quem sendo oficial de muito ofício – acabou não sendo mestre de nenhum.

   (( Com o marido José Rijo, numa das suas exposições de pintura e artesanato ))

Meu Marido, companheiro de 44 anos fez editar dois livros meus. Edições de 500 exemplares que entre amigos e conhecidos se consumiram e paramos por aí porque se o primeiro só teve louvores da crítica, essa não foi a sorte do segundo e, ele não suportava a ideia de que eu pudesse sofrer.

O amor tem destas cegueiras…

Sem ele, qualquer aventura dessas, deixou de ser viável.

Creio, no entanto, que o mais importante é fazer o que julga ser certo. Tudo é acessório e, já nos ultrapassa.

      ((Na fotografia com o ilustrador do livro Manuel Jesus na

 Cessão de autógrafos no lançamento do livro Rezas e Benzeduras ))

Aconteceu a edição das “Rezas” por homenagem do jornal onde, de há muitos anos colaboro – com o patrocínio “café Delta”.

 

Feito a resenha biográfica respondo ao resto:

Conheci a Maria Isabel Mendonça Soares, no casamento de minha irmã, há 60 anos, porque ela era prima de meu cunhado.

Estreitamos relações por afinidades de gostos, numa amizade que perdura, durante a “tal” permanência na maternidade onde a sua companhia foi um presente do céu.

Foi ela que me induziu a escrever histórias infantis para a então Emissora Nacional, mais de duas dezenas, o que aconteceu, espaçadamente, ao longo de anos, até ao 25 de Abril.

A Matilde Araújo, foi professora na Escola Técnica de Elvas, nos anos 56, 57, por aí. Acontece que tendo meu marido sido aluno do Colégio Militar e, tendo na tropa adquirido a qualidade de professor de ginástica, juntava essa actividade à sua profissão, facto que trouxe a Matilde ao nosso convívio e amizade que também tem resistido ao tempo e persiste.

 

Quanto aos postais de gastronomia, foram editados por uma Câmara a que pertenci – sem filiação partidária –       (( com a Secretária de Estado da Cultura  Dra. Teresa Patricio Gouveia )) 

              (( com o Dr. Mario Soares - aquando da Inauguração da

                                    Sala Eurico Gama  ))

como vereadora da Cultura e Turismo – por um escasso mandato – de que não me arrependo mas me vacinou contra maus olhados e sortilégios… por convicção – sem precisar de benzeduras.

 

Eis a traços largos, a história que responde às vossas perguntas e apreço e que com gratidão por todos – que muito gostaria de conhecer e a quem deixo um grande abraço – dedico hoje, um pouco mais, a Frederich , Dolores e à Dina – que está de parabéns porque acaba de festejar o aniversário da sua primogénita – e, que, como gente de casa tenho o gosto de encontrar dia a dia.

Também retribuo o “beijo nas mãos” aos que por suas mãos, escrevem para mim palavras belas que não saberei merecer mas me fazem sentir ainda útil e me ajudam a viver.

Também esclareço que não estou constipada, estou, é verdade, sentindo alguma dificuldade em acertar o andamento entre duas realidades irrefutáveis e coexistentes – a idade e o pensamento.

 

Falta-me agradecer, o que faço agora, pensamentos, poemas e orações que me têm dado a aprender e muito apreciei.

Se antes as tivesse sabido tê-las-ia acrescentado, às que conheci enriquecendo assim o livro.

Grata

                                      Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 22:39

Gastronomia e Culinária

Segunda-feira, 25.06.07

 

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.858 – 23-Março-2006

 

 

Aqui há uns anos, porque exercia, na altura, funções relativas à cultura tive, por vezes, que escrever pequenos textos para catálogos alusivos a alguns eventos que, por força do cargo, tinha que promover. Foi nessa linha que, em 89, quando da primeira mostra de gastronomia Alentejana, me vi impelida a procurar uma interpretação para a palavra que define a arte de comer e beber - Gastronomia.

Ocorreu-me, então, escrever:

                   A gastronomia é o resultado de uma aliança entre a ciência, a arte e o prazer.

                   Ciência, porque implica conhecimento.

                   Arte, porque vive também da beleza, da sensibilidade e imaginação criativa de quem cozinha.

                   Prazer, porque pelo olfacto e pela vista excita e inebria o paladar enquanto sacia o estômago alimentando a vida.

Daí que cada povo, através dos tempos, tenha esmerado o seu conhecimento do ambiente, desde a fauna à flora, e utilizado todos os meios disponíveis para preparar os seus pratos típicos.

O Alentejo, dispõe de uma cozinha rica, inteligente, onde o próprio clima impôs a descoberta de algumas formas bem peculiares de utilizar os alimentos mais correntes etc. etc...

Lembrei-me de falar neste assunto, porque ao catalogar, folhas e folhas de revistas que pacientemente arquivo com toda e qualquer receita de culinária que me apareça pela frente encontrei o “velho” apontamento. Que me induziu a escolher este tema para conversar hoje.

Compulsando o volume desmedido de folhas e folhinhas que já possuo, impôs-se-me a evidência da inutilidade de tal arquivo.

Para além de reconhecer que nunca se publicaram tantas receitas para confecção de pratos e, simultaneamente jamais se terá – talvez - comido tão mal, verifico ainda que, numa altura do conhecimento  em que a higiene alimentar se impõe como regra primordial de saúde, não há receita que não se baseie  num consumo desbragado de natas , condimentos, manteigas e outras gorduras promissoras de boas percentagens de colesterol.

Até me admira que assim como havia, ou há, uma edição que trata das cem ou mais maneiras de cozinhar bacalhau, não estejam também disponíveis para, venda “as trezentas, ou mais”, de consumir natas.

Passando da gastronomia à culinária que é a arte que lhe está afim – a arte de cozinhar; teremos, se formos à raiz dos costumes, atitudes bem mais inteligentes do que aquelas que hoje assumimos. O alentejano tinha, no seu dizer, “um passadio simples”.

Queria dizer com esta expressão, que era frugal no seu sustento. A terra dava-lhe o trigo, portanto, o pão. Também lhe dava a oliveira e, consequentemente azeite e as“zètoninhas”.(azeitonas)

Apascentando os rebanhos, tinha garantido o leite e o queijo.

Mondando as searas, colhia as acelgas, as tengarrinhas, ou cardos, (que depois de cantar o cuco, - em Março - já não se deveriam colher por estarem duras), os saramagos, os catacuzess, hortaliças espontâneas que ingeria com prazer na sopa, ou no cozido de grão de bico que também semeava e colhia, nas madrugadas de Verão, para a semente permanecesse na vagem...

 

Limpando os “hortejos”, que vegetavam em cada quintal, ou nos “baldios” colhia as beldroegas para as sopas, nas regadeiras húmidas por onde a água da rega escorria e onde elas, infestando, proliferavam.

Perfumava, apaladando a comida, com poejos, orégãos, salva, mangerona, hortelã das ribeiras...

Com os cheirosos coentros, pão e azeite, criou esse ex-libris da culinária Alentejana – a açorda – esse monumento gastronómico que no rigor dos Invernos, alimenta, conforta, aquece corpo e alma e ainda perfuma o bafo quente do suspiro regalado de quem não resiste a dar graças a Deus por uma refeição consoladora.

 

  Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:54





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...

  • Anónimo

    Muito boa noiteDesculpe vir assim a esta hora e pe...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog


Posts mais comentados


arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.