Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A senhorinha

Quinta-feira, 27.11.08

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.996 – 27 de Novembro de 2008

Conversas Soltas

  

Senhorinha – de acordo com os dicionários é diminutivo de senhora, isto é: - uma jovem senhora.

Assim sendo não descortino porque se apelidam de senhorinhas, as pequenas poltronas que era uso fazerem parte do mobiliário dos quartos de dormir.

Nos quartos de casal havia por regra uma otomana ou chaise longue, quase sempre encostada aos pés da cama.

                      

 Nos filmes e peças de teatro de então, nas cenas emocionantes de desmaios e traições, lá estão, nelas – estiradas - as damas, com seus fatos  de estilo  ou sua bela lingerie de tules e rendas, cabelos com ornamentos de fitas e pérolas, decotes generosos e, inevitavelmente os olhos  em alvo, uma das mão na testa, a outra pendente, em ar de abandono, segurando pela ponta um lencinho  de ricos bordados, enquanto as aias, os apaixonados ou os circunstantes lhes providenciavam os “sais” para fungar.

          

À senhorinha, já não se ajusta – de forma alguma - uma imagem tão teatral, nem tão pesada de emoções por vezes eróticas.

A senhorinha alindava os quartos de donzelas mais ou menos românticas e suspirosas ou, enunciava o recanto confortável de qualquer casa onde um corpo gasto, ou cansado do dia a dia, encontrava o repouso merecido para cochilar, ler o jornal, um livro, rezar, ou, simplesmente fechar os olhos  deixando fluir e correr  lembranças, ou meditar.

Eu tenho uma senhorinha, veio-me de herança, era eu muito nova.

Havia uma senhora de idade, que olhava a rua sem a fixar, parada como se fosse uma estátua, alheia a tudo em redor.

Era uma presença pungente, a qualquer hora, por detrás daquela vidraça da janela, num prédio antigo, de rés-do-chão.

Eu passava. Passava e fingia não ver, mas a cada dia mais me pesava esse fingimento.

Uma vez decidi: vou-lhe acenar e sorrir.

A um breve momento, suspenso de surpresa, seguiu-se como reflexo num espelho, um sorriso igualmente tímido mas franco.

Daí em diante essa era a nossa senha.

Ela esperava – me atenta para devolver o meu cumprimento. Um dia ousei aproximar-me e disse-lhe a rir: se eu tivesse uma poltrona como essa também me sentaria assim a sorrir para quem passa. Não havia de querer outra vida! A velha Senhora riu com gosto e abanando a cabeça repetia: criança! Ficamos amigas. Amigas de acenar uma para a outra ainda que chovesse e eu passasse a correr de guarda-chuva em riste.

Um certo dia, pedi-lhe para entrar em sua casa, já que ela a isso me havia convidado sem que eu ainda tivesse aceitado.

Tomámos chá, numas xícaras preciosas. Apreciei as suas travessas (sem cabelo) da Companhia das Índias e as diversas relíquias que alindavam a pequena sala museu de lembranças que a envolvia como um estojo.

Disse-lhe então que ia mudar de cidade e aquela era a minha despedida.

Guardei o abraço que me deu, na minha memória de afectos, até hoje. Anos depois, não muitos, fui contactada, por um vago parente para vir buscar a “senhorinha” que me foi entregue com um pequeno cartão – “por um sorriso” – Berta.

Hoje, neste vício de escutar “Amigos”, que é como quem diz – reler trechos de livros que me acompanham, em – Elogio da Velhice de Hermann Hesse - reli assim:

                               Detalhes do Livro

 

 

“ os que já foram permanecem naquilo que de essencial teve efeito em nós, vivos e na nossa companhia, enquanto nós próprios vivermos. Por vezes conseguimos até conversar melhor com eles, consultá-los e escutar o seu conselho, do que poderíamos junto daqueles que ainda vivem”

              

“O que seria de nós, os velhos, se não tivéssemos esse livro ilustrado que é a memória, toda essa riqueza de experiências vividas! Seria uma situação lamentável, seríamos uns miseráveis. Deste modo, porém, somos imensamente ricos e não nos limitamos a arrastar uma carcaça cansada, de encontro ao fim e ao esquecimento; somos guardiães de um tesouro que viverá e resplandecerá enquanto nós próprios respirarmos.”

Dei comigo a sorrir sem mágoa e sem tristeza. Apenas com um doce sentimento de gratidão pela Vida, pelos que ainda temos entre nós e pelos que em nós permanecem vivos na lembrança e por aqueles a quem Deus permite a maneira de nos falar ao coração.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:55





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

posts recentes


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita


Posts mais comentados


arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.