Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


“ A Semana do Pão “

Segunda-feira, 07.04.08

                                              

O Pão é místico.

            O Pão não é um alimento qualquer.

            A semana do borrego, a semana do porco, a semana do bacalhau – são o que são.

            Semanas de culto à habilidade gastronómica, à pançada, ao petisco, às tradições locais – mas, assentam sempre na imolação de um animal.

            Com o pão... bem! – Com o pão – nem de perto, nem de longe se pode assemelhar ou ser a mesma coisa.

            Quando eu alvitrei e ofereci a ideia – se tivesse imaginado possível, ver tal sugestão reduzida a tamanha banalidade – teria ficado calada.

                          

            O Pão é Místico.

            Na Comunhão diz-se “ O Corpo de Deus” – é Pão.

            No Pai-Nosso, reza-se de mãos abertas pedindo: “o Pão-nosso de cada Dia “.

Na miséria implora-se por amor de Deus: - um bocadinho de pão.

            Na desclassificação do ser humano diz-se: - não mereces o pão que comes.

                                  

            Na alegria e na saúde bendiz-se – o Pão da vida.

            Na penitência sustenta-se o corpo a pão e a água.

            Na pobreza refere-se amorosamente – “o panito”.

            No dia de todos os Santos dá-se – “o pão por Deus”

            Na quinta-feira de Ascensão – colhem-se espigas para que não falte o pão.

            E, ninguém do povo, põe o pão na mesa virado com o “solo” para cima – “porque” o pão não se ganha de barriga para o ar - o pão ganha-se com o suor do rosto” – o pão respeita-se. Ninguém se senta à mesa de chapéu.

            Quando, frente a uma mesa posta, alguém se distrai e solta linguagem desbragada, apressa-se a exclamar: - “com perdão do pão “!

            Nos lares, mesmo nos mais modestos há – a bolsa de pão – e, é só do pão.

            O saco do pão faz parte – até – da parafernália dos mendigos.

            O pão sempre se pousa sobre um pano branco ou pelo menos limpo.

            Branco é o panal que forra o tabuleiro onde o pão, ainda em massa, se aninha para ir até ao forno.

            Branco é o Sudário de Cristo.

            Branca é a farinha que o trigo esconde no seu bago de oiro.

            Não mereces o pão que comes – é a ofensa mais humilhante que alguém pode escutar.

            Parece que não come pão de gente! É o piedoso lamento para quem definha sem saúde.

            Por estas e outras, muitas mais, razões alvitrei a semana do pão, para ser lançada de forma inovadora nesta querida Elvas.

            Pensava nas escolas interessadas a investigar e juntar dados para uma bela exposição didáctica.

            Recolha de provérbios.

                            

            Número de moinhos e azenhas do Guadiana.

            Houve? – Não houve? – O que resta?

            Com o apoio da Estação Nacional de Melhoramento de Plantas fazer uma mostra das espécies de trigo que há – diferenciação das espigas.

            Solos, adubos, sementeiras.

            Variedades de pão que o nosso país consome nas diferentes regiões. Que cereais são utilizados.

            Pensava em pinturas e fotografias fazendo a história de ceifas, mondas, etc, etc,

            Pensava numa mostra de medidas antigas...

            Da evolução das alfaias através dos tempos...

            Talvez um cortejo – talvez apenas exposição...

            Do arado até hoje – que distância!

            Na transformação dos usos na feitura do pão. Da artesania até à era industrial...

                                       

                        Pensava numa região completamente envolvida a falar de si, do seu passado, dos seus costumes como quem folheia um álbum de família desde as mais remotas origens – historiando tudo quanto lhe diz respeito para se fazer conhecer, amar e respeitar como merece e precisa.

            E, só depois, como fecho a tal semana gastronómica.

            Porém, também aí, seria diferente.

            Entrariam as iguarias propostas – é certo! Mas... e os doces de pão?

            A enxovalhada? – As migas doces? – A sopa dourada? – As tibornas? etc, etc, etc, ...

            Uma coisa eu garanto:

            Não posso imaginar que uma só pessoa ficasse indiferente a uma fornada de “marrucates” perfumando o ambiente na “vernissage” da inauguração – para mais – tendo ( e teriam ) à sua disposição a possibilidade de provar a tiborna de lagareiro e a tiborna de lambareiro – ou simplesmente azeitonas que tão bem se casam com o pão.

            Como música de fundo recuperava aquele disco de Maria Clara em que ela canta Guerra Junqueiro:

                                

            “Toque,toque, toque – vai para o moinho “ ou o Luís  Piçarra com a sua “Ceifeira que andas à  calma ... “

            Que mundo de coisas encheu o meu espírito para a semana do Pão... – E o que realmente aconteceu.

            Vai ser como com a “Quinta do Bispo”!

            Quem viver – verá!

            Vá, lá! – Vá, lá! - Que quando ofereci a ideia do cortejo histórico, que já deixei bem alinhavado – em 1990 – apenas substituíram os “arautos” a cavalo por guardas-republicanos de motorizadas mas, não foi mal! – A julgar pelo que disse a rádio desse tempo – desconhecendo quem dera a ideia, claro!

            Ainda um dia escrevo as minhas memórias.

            De tristezas estamos todos fartos.

 

 

                                            Maria José Rijo

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.375 – 8 - Novembro - 1996

Conversas Soltas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:36

“Pão e amor”

Sexta-feira, 14.03.08

“Pão e amor” é o título de uma obra da autoria de Knut Hamsun, escritor norueguês a quem foi atribuído o prémio Nobel de Literatura em 1920.

Trata-se de um livro apaixonante, cujo enredo se desenvolve em torno da história de uma família de colonos que se instalam nas terras desoladas e frias do norte da Noruega; onde vivem os seus dramas e as suas alegrias com o espírito heróico dos desbravadores.

Fala-se nele, do amor à terra “origem de tudo, fonte primacial da vida”, – como no próprio romance se lê, e dos homens amando segundo a lei de Deus, e vivendo entre os animais que os ajudam no trabalho e no sustento.

Lembrei-me desta obra que, na adolescência, muito marcou a minha sensibilidade quando, recentemente, a nossa cidade foi invadida pela notícia brutal da morte de uma recém nascida em condições pouco claras.

E, lembrei-me porquê? – Lembrei-me porque a heroina dessa história, do referido livro, nascera com o lábio rachado o que, desfeando-a, lhe reservou uma vida de exclusão em relação a todos os prazeres e alegrias da juventude e, a fazia esconder-se com vergonha daquela fealdade que a expunha à curiosidade e repugnância de toda a gente que, por esse facto, a descriminava cruelmente.

Só aquele colono, pobre e feio a aceitou porque ninguém mais o queria, a ele também, e tinha necessidade da companhia de uma mulher, para a sua aventura em procura da posse de um pedaço de terra, nos difíceis tempos da colonização.

Assim que, ao sentir-se, meses depois, grávida, a mulher, disfarça o seu estado, e ao perceber perto, a hora de lhe nascer a criança, afasta o homem e, mata a filha porque vem ao mundo com o mesmo defeito que fizera dela um ser revoltado e infeliz toda a vida.

Arrepia! - Espanta! Revolta! – Mas faz pensar...

Como era de esperar a certa altura o crime é descoberto, a mulher é presa e, é julgada e condenada.

Na penitenciária, tem comportamento exemplar, recebe instrução, acaba sendo operada para correcção do lábio que fica escorreito. Durante o resto da sua existência ela carrega a mágoa e o remorso do infanticídio a que por ignorância, a força do amor pela filha a conduziu, na ânsia de lhe poupar o sofrimento de uma vida de tragédia igual aquela a que o terrível defeito a condenara.

Curiosas, são as considerações da advogada de defesa que, então, argumentava assim:

- “ Nós as mulheres constituímos a metade infeliz e oprimida da Humanidade. Quem faz as leis são os homens; as mulheres nem podem dar o seu parecer.”

“- E há ainda outro lado da questão a encarar. Porque é que o homem não é incomodado? A mãe que cometeu um infanticídio sofre a prisão e os rigores da lei; mas ao pai da criança, ao sedutor, nada se lhe faz”.

 Curioso é que este e outros argumentos usados há mais de oitenta anos ainda tenham actualidade. Pois que, se é verdade que as leis hoje não são feitas apenas pelos homens, não é menos certo que em muitos extractos sociais os homens tiranizam as mulheres, violentam as suas consciências, levam-nas à loucura causada pelo peso dos infortúnios que lhe infligem, batem-lhes, fecham-nas em casa, deixam-nas sobrecarregadas de trabalho e miséria, até nas pesadas horas de solidão e sofrimento físico que um parto causa.

Depois, depois...a sociedade que isto permite. A sociedade que esquece a educação, a assistência social, que discute tostões em reformas de miséria e faz estádios de exibicionismos milionários, etc, etc, espeta o dedo e acusa.

Dispor de leis justas e progressistas, não é solução para todos os males da humanidade.

Mais importante, ou tão importante é dar ao povo a preparação para as conhecer e cumprir.

É dar-lhe a consciência cívica dos seus deveres e direitos.

É garantir-lhe condições de dignidade de Vida.

É acordar, ou, criar a consciência de uma sociedade egoísta, alienada por falsos valores, que cultiva as aparências, mesmo à custa da fraude, que, quase sempre, julga e acusa sem meter a mão na consciência procurando e aprofundando as causas, as origens de certos crimes e delitos de que os réus são, muitas vezes, as principais vitimas...

E, ainda há quem defenda o aborto! – Espero, um dia, vir a entender qual é a diferença entre matar um filho às escondidas no segredo de um ventre ou, após o nascimento!...

A falha, é minha, por certo.

                                   Maria José Rijo

@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.653 – 12/Abril/2002

Conversas Soltas

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:07

CASPACHO, GASPACHO OU VINAGRADA

Sexta-feira, 21.12.07

 

Azeite, alho pisado com sal; água fresca do cantarinho (infusa ou quarta, conforme a região); Vinagre, pão migado à mão, oregãos para perfumar (o uso dos orégãos não é obrigatório).

 

Esta é a base da sopa fria que se come como alimento e refresco, durante o duro Verão alentejano.

Foi depois enriquecendo com a adição de pepino, tomate e pimentos verdes picados em bocados pequenos.

É prato turístico em hotéis, batido com um puré frio a que se adiciona, por vezes, ovo cozido e a que subtrai quase por completo – ou completamente – o pão.

O seu acompanhento mais próprio são as azeitonas.

 

 

                             Maria José Rijo

@@@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 22:15

ENSOPADO DA BODA

Domingo, 16.12.07

Numa mistura de banha de porco e azeite, deixa-se papinhar cebola picada, alho e louro. Antes que a cebola frite, leva a carne de borrego partida em bocados e colorau.

Tempera-se, então, com sal, pimenta em grão e cravo (pode ou não levar salsa).

Cozinhar tapada em lume brando.

Deita-se-lhe água em golinhos, para cozer devagar sem afogar. Depois de cozida, junta-se-lhe as batatas cortadas às rodelas que também se deixam cozer com pouco caldo.

Acrescenta-se então uma golada de vinagre ou de vinho branco e volta a abrir fervura antes de se acrescentar o caldo à conta desejada. Serve-se sobre sopa de pão.

(O vinagre ou o vinho não são essenciais.)

 

                     Maria José Rijo

@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 18:41

SOPA DE ESPARGOS E SOPA DE ESPINAFRES

Sábado, 15.12.07

 

Fritam-se em azeite coentros pisados com alho e sal.

Não se deixam fritar muito.

Sobre eles, deitam-se ou os espargos ou os espinafres que se deixam cozer em lume brando.

Escalfam-se ovos no caldo que se verte sobre o pão cortado em finas sopas.

                                     Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:21

SOPA DE BATATA

Sexta-feira, 07.12.07

 Azeite; Cebola e um dentinho de alho; Pimentão flor (umas pitadinhas para dar cor); Um bom ramo de hortelã; Um nadinha de salsa; Batatas às rodas grossas.

 Deixe a cebola ficar transparente na gordura quente antes de deitar os cheiros e as batatas.

Tape para estufar em lume brando. Junte água a pouco e pouco até a batata cozer.

Faça-o lentamente para o caldo engrossar. Acrescente o caldo à conta que precisar. Escalfe ovos (se as galinhas andam a pôr).

Deite tudo a ferver sobre a sopa de pão acamada na “tigela” em que há-de ir á mesa.

Veja se a louça é curtida (isto é uma velha recomendação popular, daí o senão), caso contrário sabe a barro.

                         Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:22

MIGAS

Segunda-feira, 03.12.07

Alhos fritos em azeite ou banha; Água e sal; Pão em fatias finas.

Não deixam queimar os alhos, que se retiram logo que aloiram e se põem de lado. Sobre a gordura quente, acama-se o pão, e sobre ele vai-se deitando água que para o intento se tem a ferver.

Abafa-se para cozer um pouco.

Depois que o pão começa a estar mole, vai-se mexendo, até que, já bem desfeito, se começa a enrolar como uma tortilha, sacudindo o tacho bem seguro pelas asas.

Assim se vão fazendo rodar as migas até que o pão se junte perfeitamente como um bola.

Na casa do rural, comiam-se as migas com os alhos fritos como acompanhamento.

Nas casas abastadas, as migas fazem-se com a gordura proveniente da fritura de carnes de porco que, depois, constituem o seu acompanhamento. Também era uso do pobre comer as migas bebendo ao mesmo tempo café.

 

                                                                    Maria José Rijo

@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:22

Fatias Douradas

Sexta-feira, 30.11.07

Vai-se mergulhando o pão, já fatiado, em leite quente e

depois em ovos batidos temperados com uma pitada de sal.

Fritam-se depois as fatias em óleo fervente e polvilham-se

com uma mistura de açúcar e canela.

Podem também regar-se com calda de açúcar perfumada de

baunilha, calda de frutas ou mel.

 

                                      Maria José Rijo

@@@@

Colecção de Gastronomia - Doces

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:25

SOPA DE TOMATE

Sexta-feira, 30.11.07

Tomate, cebola, dentes de alho, azeite, pimento verde – tudo no tacho a estufar em lume brando.

Deite orégãos (se gosta do paladar).

Quando estiver cozido passa-se pelo passador.

Acrescenta-se o caldo obtido com um pouco de água.

Deve ficar bem espesso. Batem-se os ovos com um garfo e deitam-se-lhe para dentro enquanto ferve.

Verte-se o caldo sobre o pão.

Acompanha-se com figos frescos ou uvas e azeitonas.

                                                           

                                        Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:05

SOPA DE CACHOLA

Segunda-feira, 26.11.07

Fressura de porco, molejas, bocadinhos de baço.

Em banha de porco, frita-se, sem alourar, cebola e alho.

Logo que a cebola esteja passada, deita-se a carne o pimentão-flor, o cravinho, pimenta, louro e um molho de salsa.

Depois de refogado, leva água para cozer.

Logo que esteja cozido, acrescenta-se o caldo que chegue para as sopas e um pouco de sangue de porco batido com vinagre.

Sobre as sopas de pão cortadas fininhas, colocam-se rodelas de laranja e, por cima, verte-se o caldo com as carnes.

Acompanha-se com mais rodelas de laranja.

 

                                  Maria José Rijo

@@@

Colecção de Gastronomia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:30





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    ADOROAdoroooooooooooooMeu Deus Tia gosto imenso de...

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.