Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Rejeitar e aplaudir

Domingo, 10.02.08

Estar em desacordo, pode significar a rejeição de uma ideia, de uma opinião, de um parecer, uma atitude.

Aplaudir, é a posição oposta. É estar de acordo, louvar, estar em sintonia com as opiniões expressas.

Lidar com o aplauso, por norma, talvez, seja mais fácil, embora possa ser enganador.

As questões de amor-próprio, são de muito melindre.

Se o aplauso afaga o amor-próprio, a censura, se frontal e assumida olhos nos olhos – impõe a reflexão – é preciosa.

 Todas as pessoas, ditas normais, sem abdicar da sua própria avaliação e ditames de consciência, procuram através dos seus actos, das suas palavras a compreensão e apreço dos elementos do seu meio. Procuram a amizade, o companheirismo, o entendimento.

 Conviver com a crítica, não significa aceitar o insulto. Uma coisa não se compadece com a outra.  

O SIM, por norma, é o sorriso. O NÃO, é o esgar.

Quando numa contenda, pareceres divergentes se enfrentam, desde que haja honestidade entre os intervenientes, a discussão é salutar, mas, não havendo empate, da diferença sairá um vencido e um vencedor.

Há quem saiba perder, há quem saiba ganhar. Também há quem não saiba nem, perder, nem ganhar.

Há quem odeie o opositor porque foi vencido. Há quem o humilhe por confundir, ganhar com arrogância.

Há quem vença com modéstia.

 Há quem perca e na cilada se desforre, sem parar um momento, sequer, a avaliar até que ponto terá ocasionado o mal de que acusa o mundo inteiro.

Se porém todo o mundo se entende, – mesmo na concórdia – é sempre saudável não perder de vista, que, isso não autoriza – quem quer que seja – a concluir que estão encontrados os donos da verdade única.

Rejeitar ou aplaudir são opções de consciência.

Caminhos normais de vida.

E, a Vida, não é feita de um só caminho!

Difícil é conviver com a traição, porque a traição não tem rosto. E, quem, por inocência, ou por má fé, se deixa enredar pela ambição, pela aparência de falsos poderes, nem sempre tem sorte na escolha.

Muitas vezes acontece que quem induz ao erro, na hora de assumir as suas responsabilidades libertando da armadilha quem o serviu, e reconduzindo a vítima ao ponto certo, não o faz.

Acusa, salva a pele, transferindo para outros o consequente resultado da sua astúcia.

Ensinou Santo Agostinho que “viver é conviver”.

Mas conviver sempre será uma moeda de duas faces.

Com seu anverso e seu reverso.

No jogo da vida, entre rejeições e aplausos, se fazem os nossos percursos, ponderando da justiça de aplausos e censuras.

Bom, é quando se caminha tranquilo sabendo que lágrimas e risos são frutos “desse” percurso e sabendo aceitar que jamais alguém estará acima de críticas porque ninguém é intocável.

 Mas, sem esquecer que jamais alguém, quer nos louve, quer nos insulte, ouvirá como qualquer de nós – ouve e escuta – a sua própria consciência – esse sussurro de Deus – que permite dormir em paz, quer entre palmas, quer entre apupos.

 

     Maria José Rijo

@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.954 – 31 de Janeiro-2008

Conversas Soltas

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 19:44

Até parece fácil!

Sexta-feira, 25.01.08

“O eterno é a reunião de todo o passado e todo o futuro num só instante, a eternidade é o instante.”

Esta frase, este pensamento, de Santo Agostinho é um verdadeiro manancial de sabedoria.

Santo Agostinho, por Botticelli (1480)

Fechando, embora, um conceito adquirido pela sua percepção e pelos conhecimentos do seu espírito, ela abre, para nós, portas a um mundo infindável de caminhos da razão.

Todos nós, já pensamos ou dissemos a propósito de alguém: - à última hora, ou, no último instante, redimiu-se, arrependeu-se...concertou o mal que tinha feito.

A sabedoria popular, afirma: - até ao lavar dos cestos é vindima...

A fé assegura-nos que até ao último momento da Vida, da Vida de qualquer um de nós, ainda é tempo de como qualquer filho pródigo voltar a casa do Pai – e ser recebido em festa!

Na verdade, a Vida terrena é apenas um pequeno percurso no tempo, uma fracção ínfima de um todo infinito.

Um ponto numa linha cujo começo não se identifica e cujo termino não se determina.

Na verdade, a Vida, é apenas a conquista do instante que nos concede a entrada na eternidade.                   

Sendo assim, se assim for, a morte é tão-somente o mergulho no infinito, no eterno.

O regresso à mão que nos concedeu a oportunidade da experiência de ser.

Até parece fácil pretender a gente embrenhar-se no pensamento de um Santo que até aos 32 anos foi frívolo, amante de mulheres, mas, ao que contam os seus biógrafos: sempre ávido de Deus.

Não será também essa a tradução dos nossos anseios de perfeição, sucesso, poder, e tudo o mais que interpretamos como caminhos de felicidade e realização pessoal?

Não será tudo isso, apenas e somente um anseio de Deus, concebido à medida pequena da nossa pequeníssima dimensão?

                            Maria José Rijo

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.713 – 6/Junho/03

Conversas Soltas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:01

Coisas e loisas

Segunda-feira, 21.01.08

Ás vezes decido calar! Depois, reconsidero e procuro prudentemente intervir. Não é porque as coisas me digam particularmente respeito a mim. Não. É porque é a participar que se vive.

Viver é conviver, disse – segundo creio – Imagem de Santo AgostinhoSanto Agostinho. Conviver é viver com os outros e, se como disse o poeta Michel Quoist – eu sou o outro – necessariamente, o outro sou eu.

Resulta assim evidente que o respeito que tivermos por nós próprios, se reflecte na forma como se convive com o próximo. Assim que a nossa atitude pessoal tenha que ser avaliada, não isoladamente do conjunto em que estamos inseridos. Daí que, se enquanto pessoa me pode enternecer a ingenuidade que permite estender roupa a secar nas traseiras do palácio da Justiça – como elemento duma sociedade, como “outro” parte dum colectivo (a cidade, neste caso) – esse facto agride pelo que representa de impreparação social, pelo que representa de atitude de sub-mundo pelo que destoa tal uso, feito de tal local…

Verdade que uma ou outra vez já temos visto também algum pacífico borrego a pastar na cerca que se sonhou jardim do dito Palácio da Justiça. Verdade também que sempre se pensa que o borrego está bem na pastagem vicejante… A pastagem é que lá não está certa…

Julgo que esta insólita nota de “folclore local” adicionada às cordas de roupa a secar à entrada do Jardim Municipal, mais a profusão de tabuletas, muito das quais escritas em espanhol, não são coisas que enobreçam ou embelezem esta nossa terra.

Aplauso deve ficar aqui, sim, para o repovoamento protegido de árvores que foi feito e cuja falta desdentava, tristemente, a bordadura de praças e avenidas…

E porque cada um de nós, para além da sua qualidade de individuo, é parte deste todo que é a cidade, por cuja dignidade somos responsáveis, será bom que não nos deixemos adormecer sobre esse plano inclinado que começa por resvalar da incúria para o desleixo, que abre o caminho à degradação,

 

Coisas e loisas esparsas

Como a ferrugem – se pica

Como a lama dos caminhos

Se pisada… nos salpica.

 

 

                       Maria José Rijo

@@@@@

A LA MINUTE

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.727 – 23-Março-1984

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:03

Ler e pensar

Terça-feira, 21.08.07

         Também através da leitura se pode fazer, um pouco, o percurso da  vida de cada  um de nós ,quando o hábito de ler nos acompanha ao longo dela.

            Começa-se ,quase sempre pelas histórias em quadradinhos, seguem-se-lhes os contos - dantes, eram de fadas - passa-se para as aventuras, depois, vêm as novelas e os romances.

            A certa altura,  começamos a reparar na forma como as intrigas romanescas nos são contadas e embora aderindo emocionalmente ao enredo ultrapassa-se a fase dos prantos pelos agravos e desditas porque passam os personagens e ganha-se objectividade sobre o que se lê.http://www.leitematerno.org/livros_recomendados.htm

            Então começa a etapa mais frutuosa, que é a de ler e pensar, que se segue à de ler e apenas sentir.

            Começam-se a definir critérios de escolha e preferências. 

            Fazem-se incursões por caminhos diversos. Deixa-se a ficção um pouco de parte. Procuram-se biografias, relatos de viagens, cartas, romances  históricos. Com um pouco de sorte ganha-se o jeito de ler poesia também.

            Então o livro deixa de ser apenas o entretenimento a pura curiosidade pelo fio da meada e ganha o valor acrescentado de ser o amigo e o mestre.

            Para encher tempo, até as velhas revistas das salas de espera dos consultórios dão uma certa ajuda. Embora se tratem quase sempre como se faz com os esporádicos encontros de rua . diz-se-lhes - Olá! e segue-se em frente. Porém, para levar para casa, para se sentar à nossa mesa , levam-se os amigos. Aqueles de quem se gosta. Aqueles com quem nos sentimos bem.

            Com os livros passa-se a mesma coisa. Para os ter à mão, perto de nós , para que nos sirvam de companhia, têm que nos saber falar ao coração e à inteligência, têm que despertar em nós qualquer espécie de interesse, têm que nos ajudar a entender quem somos, têm que nos abrir caminhos.  É que, como acontece com as pessoas, também o livro pode ser um bom ou um mau companheiro. Pode ser uma benção ou um veneno.

            Daí o cuidado com que se escolhem, se guardam, se olham, se recordam, se revisitam em leituras meditadas ou fugazes de trechos que se sublinharam, marcaram, e quase se sabem de cor.

             Manusear um livro é um prazer. Afagar-lhe a capa, tacteando-a, é como sentir o perfume de uma flor antes de a colher ,é o bater à porta da aventura de iniciar a leitura, é o afago no que desperta em nós afecto e estima, é o abraço no encontro do amigo.

            Mais cedo ou mais tarde, para quem gosta realmente de livros, para quem não concebe viver sem a sua companhia, acaba por chegar a hora de  procurar nos livros o que se espera dos mestres - a sabedoria.

            Escolhem-se então autores que na juventude nos pareciam fastidiosos, excessivamente solenes e descobrimos como as suas palavras são cheias de mensagens, como esclarecem as nossas dúvidas, como nos abrem novos caminhos, como nos ajudam a encontrar respostas dentro de nós.

            Como lidaram com as suas próprias interrogações, as suas perplexidades, como construíram os seus percursos íntimos.

Perdida a “voracidade” com que na juventude se devorava tudo quanto  aparecesse em frente dos olhos para ler,  enreda-se o nosso interesse  com temas, que nessa época nos pereciam incapazes de merecer o nosso interesse , quanto mais o nosso entusiasmo. As Confissões de Santo Agostinho,

 

- No Coração do Infinito e,

Cartas Abertas de Jean Guitton , -

 As Aproximações do professor Agostinho da Silva

a que juntei agora - Os Evangelhos de 2001-

do professor Marcelo Rebelo de Sousa    

        são o mestres que ando a reverenciar...

        Tenho, neles, pano para mangas.

         Dariam para uma vida inteira.

         Aprender até morrer ,diz o ditado.

         Aproveitemos então, para ler e pensar.

 

 

                                                           Maria José Rijo

@@@

Revista Norte Alentejo -- Crónica

Nº 10 – Março/Abril 2001

 

                                                              

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:25





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.